15844503_1284993454894599_4373011321515312000_o

Pão tentação: Castália

00Artigos, DestaqueTags: , , ,

Tenho uma confissão, gosto de pães bem feitos, sobretudo, daqueles cascudos, com interior fofo e que fazem um som peculiar quando os parto com as mãos. Sugiro comê-los com azeite e sal e também com um pouco de vinho tinto. Não necessariamente bebendo o vinho, mas sim, embebendo o pão no vinho (como meus nonnos faziam). Esses dias, encontrei um pão maravilhoso com barulhinho bom, feito pelos netos do Emb. Meira Penna e a Sra. Dorothy.

O avô ensinou os guris a sonhar alto e a avó, a fazer pão. Do sonho surgiu a Padaria e Confeitaria Castália e da cozinha, um pão delicioso feito com farinha francesa, mas também tem croissant  e pain au chocolat com manteiga vinda da provence. Castália, na mitologia grega, era uma fonte que inspirava o gênio poético daqueles que bebessem das suas águas ou ouvissem o movimento das suas águas. Juntaram-se irmãos, primo e amigos, todos beberam da fonte. Cada um contribuiu com um pouco e, dessa união, surgiu a inspiradora Padaria, com um scent bem hipster.

Dali, saem sabores inusitados como o pão com pimenta vermelha, ou o pão roxo de batata roxa, o pão amarelo de curry, o pão de cramberry com castanha de caju, o pão de cacau e ameixas, o rústico pão da casa. E todos podem ser levados à mesa. Escolhe-se o pão, eles o cortam e servem-no com potinhos de geléias ou azeite! O freguês os ladeia com o café que mais lhe encantar. Detalhe relevante que destaca esta padaria entre as demais, a vibe hipster, a felicidade dos netos da Dona Dorothy e do Seu Meira Penna e o amor deles em cada pão.

Onde: CLN 102 Bloco D Lojas 64/74 – Asa Norte, Brasília – DF

Telefone: (61) 3081-8899

 

🙂 Pão com JK

Granolinho

De comer com colher!

Coisas de vovó.

DSC07139

DIA 04/06 APROXIMA-SE: PASSAGEM PARA O ALÉM

00ArtigosTags: , , , , , ,

Poucos se dão conta da influência italiana em Buenos Aires. Com alguma atenção, é possível, porém, confundir o espanhol rio-platense com o italiano. Pra mim, o símbolo mais significativo da Itália ali é a mística Pasaje Barolo (Av. de Mayo, 1370), próximo ao Congresso Nacional. No início do século XX mandaram construir uma enorme tumba para abrigar os restos mortais de Dante Alighieri. E a fizeram com tal empenho, que é impossível não sentir o sinistro ar da Divina Commedia e o enigmático traçado da Maçonaria ao adentrar no edifício.

É uma construção esotérica, maçônica e dantesca se eleva um tanto escondida pelos plátanos, apesar de sua altura. A mando do industrial têxtil Luigi Barolo, em 1919, o arquiteto Mario Palanti elaborou um complexo esquema em estilo eclético, no qual os estudiosos de Dante e de Maçonaria poderiam utilizá-lo, com tranquilidade, como um meio de “leitura” e ensino. Todos os elementos que compõem o prédio têm um significado a ser desvendado, ora maçônico, ora dantesco. Assim como são 100 os cantos e 22 as estrofes dos versos da obra de Alighieri, o prédio tem 100 metros de altura e 22 pisos. Esta pretendia ser a morada eterna de Dante, mas Barolo não convenceu o Governo Italiano e o que era para ser uma tumba, vicejou como um monumento.

O edifício está dividido em 3 partes, como o poema: inferno, purgatório e céu. A entrada é pela representação do inferno. Ali, dragões com bolas de fogo dão as boas-vindas e o hall está coalhado de símbolos da Maçonaria. Tanto Barolo, quanto Palanti eram maçons e caprichosamente gravaram no teto do inferno frases de Dante, usadas por maçons, tais como, “usa tua palavra como um ornamento”, “toda beleza forma uma unidade”, “corpo e alma vê e detecta o quão ruim é agradar a todos.” (em tradução livre). Pagando, é possível fazer uma visita guiada que te levará através do purgatório e, aos mais corajosos, até o Jardim do Éden. O caminho para a expiação vai do piso 1 até o 14, cada dois lances representando um pecado capital. Porém, do 14º. até o 22º. piso, estão os oito corpos celestes da Divina Comédia que conduzem ao Epíreo, a última esfera do Paraíso, a morada da Luz Divina. E podemos chegar lá!

Essa luz é um farol dentro de uma redoma de vidro, onde o visitante entra e, dali, vislumbra a imensidão de Buenos Aires, as águas do Rio de La Plata e avista o Uruguai. Assim como descreveu Dante, o caminho até lá, vai-se estreitando e serpenteando. Junte coragem, fôlego e contorcionismo e chegará bem até o Paraíso.  Do outro lado do Rio, em Montevidéu, existe um prédio gêmeo ao Barolo, chama-se Palácio Salvo (com 95m de altura e 27 pisos, na Plaza Independência, 848), que também tem um farol. Todos os dias 04/06, exatamente entre 7:45h e 8h o cruzeiro do sul se alinha com os dois faróis. Há quem sustente que isso abre uma passagem mística e que as luzes apontam um caminho para o Além. Parece que teve gente que até sumiu aí. Podes ir conferir, se voltares, conta-nos!

Tudo sobre visitas guiadas diurnas e noturnas aqui.

PS.: sem fotos da Visão do Paraíso, para não estragar a surpresa!

Esse texto é em homenagem ao amigo e viajeiro Leandro.

Recepção

Estátua de Dante ao centro, vista do Purgatório.

A caminho dos céus (pode ir por elevador também)

Visão do Inferno

1494464378e3ba1bd6d2013bcbd7afb8b60a2a54ac

No Aeroporto: cheirinho de pão quentinho saído na hora!

20Artigos, DestaqueTags: , , , , ,

Aí você arruma as malas pra viajar o final de semana, ou por uma semana, menos ou mais. Fecha o gás antes de sair, confere as janelas, tira o lixo pra fora e vai! Vai feliz cheio de expectativa de chegar. Aproveita aqueles dias como se não existisse o dia de voltar, mas quanto mais próximo do fim está este idílio, maior fica a lista de afazeres domésticos. Um que me preocupa sempre: “não tem pão em casa. Nem que seja para fazer um lanchinho na chegada…”

Meus caros, pelo jeito essa preocupação não é só minha! Que bom! Porque no aeroporto Juscelino Kubistchek em Brasília existe um oásis com cheirinho de pão quentinho saído na hora com preços de rua! É o primeiro aeroporto do Brasil a ter uma padaria,  panificadora Vitória, que fica pertinho do desembarque. É chegar à Brasília e sair do aeroporto com o pãozinho quente, cheiroso, saboroso, crocante por fora, macio por dentro.

Além do pão francês ou pãozinho, triguinho, cassetinho, carioquinha, pão careca ou pão filão (a depender da região do Brasil do cliente), a padaria faz pães artesanais de outras paradas, faz sanduíches, bolos, tortas, acompanhados de cafés, sucos e tudo o mais que se pode encontrar numa padaria convencional. Pode-se escolher o pão recém saído do forno para o sanduíche personalizado. A inusitada loja, com janelas amplas que dão para o jardim do aeroporto, tem mesinhas, cadeiras e poltronas para o cliente descansar antes ou depois de sair viagem. Funciona entre 6h e 22h e como as fotos mostram, sucesso absoluto!

17952501_1571496909540660_7502609913366230158_n

OsterFest, Osterbaum, Osterhase, enfim, POMERODE!

00Artigos, DestaqueTags: , , , , ,

Há nove anos vou à OsterFest em Pomerode-SC e confesso que a deste ano foi a melhor. Superou as expectativas. Só de pensar no trabalho que deu montar aquela árvore, a gente fica impressionado. Os restaurantes e a população da cidade passaram o ano quebrando ovos apenas na ponta e guardando cada casquinha com o maior cuidado. Oitenta e duas mil quatrocentas e quatro casquinhas foram pintadas e penduradas naquela que é considerada a maior Árvore de Páscoa (Osterbaum) do mundo, certificada pelo Guinness World Records!

Entrar na vila de Páscoa no centro cultural da cidade e ver a imensa Osterbaum é surpreendente. À noite há uma iluminação que torna o ambiente aconchegante e convidativo e o clima ameno leva-nos a aproveitar a festa. Não faltam diversões para as crianças, claro. Elas vão se encantar na Vila cheia de casinhas e brinquedos, na Oficina de Ovos onde poderão pintar ovinhos, na Oficina de miniaturas em madeira, na Casa do Coelho… A família vai amar passear de Kutche, charretes puxadas por cavalos que fazem um tour pela cidade.

Especialmente para os grandinhos, muitas barraquinhas caprichadamente decoradas vendem tudo de bom para acompanhar um chopp tirado na hora. Produtos locais deliciosos a preços convidativos. E aquela comprinha de ocasião? Ah! Um super mercado (Ostermarkt) de artesanato absolutamente sem comparação com peças de artesãos locais e inspirados na mais pura cultura pomerodense enche os olhos e esvaziam nossos bolsos sem doer (juro!). Nos próximos posts vou mostrar pra vocês delicadezas que podem ser compradas o ano todo. Até lá!

PS.: Na foto em destaque os pomerodenses Afonso Rauh e Taciana Lunelli <3