NELS120786-TRIBES-GAUCHOS-010

00Artigos, DestaqueTags: , , , ,

O “che” de Bariloche ou a origem do Tchê!

Tchê! De onde tu vens? Falado desde o fim do mundo, lá em Ushuaia, até o sul do Brasil e avança para os lados, atingindo o Uruguai. Esse som, que desperta curiosidade, é um mistério etimológico. Hoje, me atrevo a desbravá-lo.  São várias as teorias sobre a origem dessa partícula gauchesca. Uns dizem que se originou do espanhol, cujo som para o encontro “che” soa “tchê”, como em leche e chequear. Outros alegam que, por influência italiana, o “ciò” (pronome demonstrativo italiano) derivara para “che”. Ás vezes até acredito, pois meu nonno falava “ciò” no lugar de “tchê”. Isso não explica, entretanto, a lista de palavras com a partícula “che” que não tem origem nem no espanhol, nem no italiano.

Quem viaja para Bariloche (“Barilôtche”) talvez tenha notado esse som, que é repetido em outras palavras comuns da região andino-patagônica, como Mapuche, Tehuelche, Huiliches. A terceira teoria que se aponta é, justamente, a origem ameríndia da palavra e que, nesse caso, tem um significado bastante coerente com o uso do “tchê”. Para os habitantes originários, “che” significa “gente”. Assim, Bariloche é a gente do outro lado (dos Andes); Mapuche é a gente da terra; Tehuelche, a gente bravia. Assim, quando alguém fala “Tchê!”, é uma forma de chamar ou pedir atenção, como em “Gente!”.

Não há um consenso acerca da origem e do significado, e essas três teorias não são as únicas. Essa peculiar partícula está demasiadamente arraigada no vocabulário gaúcho, gaucho, portenho, patagônico, ameríndio e dificilmente será possível rastrear a origem. Já, o significado, esse vai se amoldando ao fenômeno linguístico de cada país.  O que é seguro e certo é que o “tchê” é nosso, dos Huiliches, das gentes do sul.

Jimmy Nelson fez a foto da capa e muitas outras, lindíssimas, de gente de todo mundo, inclusive dos tchês que podes acessar aqui .

 

14462901_1235441936513647_3740737312521309185_n

“Criando uma história no silêncio da rocha bruta”, Rogéro Bertoldo

00Artigos, DestaqueTags: , , , , ,

É assim que Rogério Bertoldo define sua obra. Vontade fluida, força maior do que a consciência, energia de paz e harmonia. Uma jardim inspirado pelo equilíbrio da natureza ao redor, uma experiência de comunhão com arte, com imaginação, com a vida pura, com os elementos naturais. O resultado disso tudo é o Parque Jardim das Esculturas dos Bertoldos próximo a Julio de Castilhos, no Rio Grande do Sul.

Rogério Bertoldo, outrora dedicado à agricultura familiar, hoje escultor autodidata, já esculpia em madeira, mas a partir de 2005 passou a esculpir em blocos de arenito vindos lá de Jaguari, movido por uma intensa energia criativa. De suas mãos nasceram centenas de imagens com mais de 200kg e 1,80m. Chegar ao Jardim gera um impacto visual e emocional a ser vivido.

São aproximadamente 40 km de chão batido, a partir da BR 158 em direção a São João dos Mellos, o 3º distrito de Júlio de Castilhos. Paisagens de campos sem fim, cultivados por lavouras de soja e fumo e marcados pela colonização italiana e alemã. Muita poeira e um desfecho surpreendente.  Como um paraíso sensorial pode surgir no meio disso tudo? Para entender, só indo até lá e conversando com Rogério e com Giselda, musa inspiradora, incentivadora e esposa desse artista visionário.

Todas as informações para a visita, encontras clicando aqui!

 

O artista Rogério Bertoldo, captando energias!

A primeira escultura

E uma coleção delas!

Iogue

O grande Buda

Os 3 Guerreiros. Vastensov. Aposto que poucos sabem dos cavaleiros russos...

Circulando pelo Hermitage

00Artigos, DestaqueTags: , , , , ,

O Destino Divino está circulando em São Petersburgo. Já perceberam no face, não é mesmo? Se tivéssemos apenas um par de dias nessa cidade encantadora, deveria indicar a multiplicação do tempo e da matéria para tentar ver os pontos mais importantes em um dia. O segundo, dedicaria ao passeio imperdível, que é o museu do Hermitage. Não há como definir esse destino admirável às margens do Rio Neva, na cidade que é considerada a “Veneza do Oriente”.

Bem… ok, tem gente que não gosta de museus. Talvez preferisse dar uma volta no Rio Neva e passar sob as lindas e inúmeras pontes e apreciar as fortalezas e palácios. Há ainda os que prefeririam compras, especialmente, adquirir a porcelana que serviu aos Czares ou os típicos souvenires nas feiras de artesanato russo. E os que trocariam tudo para visitar as igrejas ricamente elaboradas ou ainda sentar-se em cafés ou chocolaterias. Ainda assim, nenhum desses passeios estaria completo sem a visita ao Hermitage.

Trata-se do maior museu do mundo em termos de objetos expostos (são 1.012.657 obras de arte, sem contar a área se arqueologia, numismática, armamentos e armaduras e outros objetos). São números tão grandiosos, quanto são os da própria área (233.345 m2) e do espaço de exposição ao público (66.842 m2). É impossível indicar o que é mais majestoso no complexo. De sorte que, entrar assim que abre (9h) e sair quando encerrarem o expediente (17h) é insuficiente para observar todo o acervo e o suntuoso palácio com calma, mas é possível ver todas as salas se houver fôlego. Não há no mundo, nem o Louvre, nem o Metropolitan, museu que possa superar a magnitude do Hermitage.

Assim, meus caros, é aquele Destino que deve estar na nossa lista de viagens de desejo. E para uma amostra bastante fidedigna, recomendo a visita virtual e a exploração do acervo . Acesse e descubra!

Tarifa de Palmira (137 AD!), quanto de imposto para passar as mercadorias por Palmira.

Palácio Imperial de Inverno ou O HERMITAGE!

Obras de Henry Matisse

 

As 3 Graças: Alegria, Beleza e Elegância. Antonio Canova.

 

No Jardim, de Pierre-Auguste Renoir.

Vista de Murnau, Vassily Kandinsky

Os 3 Guerreiros. Vastensov. Aposto que poucos sabem dos cavaleiros russos…

Hogsmead e o Gringots Bank ao fundo... O lugar mais seguro para o seu dinheiro.

Nunca faça cócegas em um dragão dormêntico: lição de Hogwarts

00Artigos, DestaqueTags: , , , , , , ,

Além da ficção, conheço quatro lugares no mundo que nos levam a Hogwarts: Porto, Orlando, Reino Unido e Islamabad. Yep, Islamabad no Paquistão. Comecemos, pelo Porto, onde uma livraria inspirou Joanne Howling a criar Harry Potter. Na verdade, J. Howling viveu no Porto e essa cidade tem vários spots que a inspiraram, mas vou restringir-me a esta livraria: Lello & Irmão (Rua das Carmelitas, 144, Porto, Portugal). Considerada uma das mais belas livrarias do mundo, inspirou Rowling a criar aquelas escadas semoventes de Hogwarts, que insistem em conduzir os alunos aos cantos que não devem ou não querem ir. Porém, nós queremos! Depois da fama, fila para entrar não é raro, mas vale muito a visita!

Em Orlando, todos sabem, há o Parque da Universal Studio, onde recriaram com riqueza, beleza e encantamento cenários dos filmes. Os lugares mais encantados são o Beco Diagonal e Hogsmead. No vilarejo, podemos comprar uma varinha mágica na loja Ollivanders, que fabrica as melhores desde 382 DC. Ao caminhar por aqueles lugares encantados, essa varinha interage com objetos do local e fazem “mágica”, como fazer um guarda-chuva chover ou livros voarem. Há um mapa com palavras mágicas e movimentos específicos para aflorar o mago que está dentro de nós. Não me queixaria se pudesse ir todos os anos praticar prestidigitação por lá.

Na terra de Hogwarts, claro, não pode faltar uma atração. Há um hotel com quartos que nos fazem entrar na vibe do feiticeiro, o Georgian House Hotel (35-39 St. Georges Drive, Westminster, Londres, SW1V 4DG, Reino Unido), que oferece quartos especificamente montados para nos fazer sonhar com as aventuras de Potter, além de ter sido avaliado como o melhor custo-benefício para quem vai a Londres. E até onde vai essa vontade de conhecer o mundo de Harry Potter? No Paquistão, meus caros, em Islamabad, inauguraram um Café temático, o Smokey Cauldron-Café and Grill! Servem poções, inclusive a Butterbeer, e comidinhas, como o Dragon Fire burger. A decoração inclui velas pendentes do teto, móveis de Hogwarts e roupas, que o cliente pode vestir ao entrar no recinto. O Café é atração certa para os viageiros mais audazes, afinal, estamos falando de Islamabad.

 

Em Londres.

Em Londres, Georgian House Hotel.

Em Londres.

Em Londres.

No Porto, Lello & Irmão.

No Porto, Lello & Irmão.

Lello & Irmão.

Lello & Irmão.

Varinha da Hermione Granger.

Varinha da Hermione Granger e mapa das feitiçarias.

Em Islamabad, o Smokey Caldrum.

Em Islamabad, o Smokey Cauldron.

Smokey Caldrum.

Smokey Cauldron.