Tag: Agentina

DSC06637

Feira de San Telmo e mais!

00Artigos, DestaqueTags: , , , ,

A Feira de San Telmo é o lugar comum mais legal que eu conheço em Buenos Aires. Por favor, eu insisto! Ninguém se arrepende de conhecer esse fundamental passeio portenho. Enfim, dizem que começa às 10h, porém, antes disso, a feira já estará montadinha esperando por nós, os turistas. Tomem um táxi até a Plaza Dorrego, onde fica bochincho e percam-se no labirinto de curiosas quinquilharias e antiguidades. Mesmo que não sejam apreciadores desse universo, o ambiente é tão peculiar que alguns o chamam de “La Republica de San Telmo”, sempre animada pelo tango e pela milonga, que invadem os quarteirões.

É tanta informação, que tonteia zanzar pela praça, assistir show de tango, entrar em quase todas as lojas de design e antiquários. Assim, parada obrigatória para tomar fôlego é o Café Notable El Federal, na esquina das Calles Carlos Calvo y Perú, onde está, desde 1864, servindo tapas e assados. Café, recomendo o que está no centro do Mercado de San Telmo, porque para ali chegar, há que atravessar um mar de quinqulharias, frutas, selos antigos, LPs, brinquedos de outrora, uniformes de escafandrista, e o que mais queira encontrar.

Voltando à Calle Dorrego vale atentar para as versões moderninhas de tangos dos milongueros do El Afronte (às vezes estão na frente da Igreja San Pedro Gonzalez Telmo, outras na Calle Estados Unidos, outras há que procurá-los) e perder-se novamente na miríade de tentadoras barraquinas de artesanato até a Mafalda, sentadinha na esquina com a Calle Chile que espera a todos para uma fotinho. Daí é só caminhar um pouco mais para chegar à conhecida Plaza de Mayo, onde se pode visitar o Cabildo, a Catedral Metropolitana e, com um pouco de fila e de paciência, a Casa Rosada. Para encerrar o passeio, escolha um café: ou o Café Tortoni ou a Confitería London City, ambos na Av. de Mayo. Recompensa merecida!

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Mafaldinha! <3

A gente encontra essas coisas

A gente encontra essas coisas

El Federal.

El Federal.

Chegando ao Perito Moreno

Não percam El Calafate

02Artigos, DestaqueTags: , , ,

Calafate é uma frutinha vermelha deliciosa que dá o nome à cidade às margens do Lago Argentino. El Calafate, entretanto, é uma cidade muito conhecida pelo Glaciar Perito Moreno, um monumento natural tombado pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade. Esse glaciar é uma massa de gelo, que avança sobre as águas do lago. Como está constantemente sob pressão, fratura-se, precipitando seus gigantescos pedaços sob um som impressionante que ecoa nas paredes de gelo. A possibilidade de caminhar sobre essa muralha gelada e o espetáculo das quedas de gelo atraem milhões de pessoas de todo o mundo e cada vez mais brasileiros. Bora?

A gigantesca cordilheira gelada mede aproximadamente 5 km de frente, 60m de altura e 120m de profundidade abaixo do nível da água. Leva o nome do geólogo, paleontólogo, arqueólogo e antropólogo Francisco Pascasio Moreno, muito conhecido por seu trabalho como perito nas demarcações de fronteira com o Chile a partir do ano de 1896. No campo patagônico, garantiu que essa obra da natureza fosse argentina, juntamente com os famosos Cerros El Chaltén e Fitz Roy. O perito não viu esse Glaciar, mas nós temos o privilégio de vê-lo e caminhar sobre ele. Não vai perder essa aventura, não é?

Uma excursão nos leva ao Parque Nacional de Los Glaciares onde começa a espetacular jornada que pode ser de 1h40min ou de 3h30min. Em um pequeno porto tomamos um catamarã para uma navegação de 20 minutos pelo Braço Rico. Para os que puderem fazê-la, recomendo bom agasalho impermeável, calça e blusa térmicas por baixo do jeans e do blusão, gorro e manta, mochila pequena para água e almoço, botas de trekking e luvas. No mais, um pouco de coragem para enfrentar o agressivo clima do paralelo 55°, chuva, neve, vento em pleno verão. Ainda assim, vale cada minuto de contemplação desse monumento majestoso das alturas da Cordilheira dos Andes.

 

Tudo que precisa é grampones e disposição.

Tudo que precisa é grampones e disposição.

Impressionante viagem no gelo.

Impressionante viagem no gelo.

 

O Ninho da Águia na América do Sul

Das Kehlsteinhaus (o Ninho da Águia) em Bariloche

02ArtigosTags: , ,

Uma cidadezinha encantadora, encravada nos Andes, bastante popular entre os brasileiros, San Carlo de Bariloche, foi o refúgio para militares alemães após a Segunda Guerra Mundial. Nesse local, formaram famílias, prosperaram e prepararam a vinda do seu líder, Herr Hitler. Bariloche (pronuncia-se “Barilôtche”) tem muito a oferecer em termos de diversão, mesmo quando a neve não está fofa o suficiente para esquiar ou praticar o snowboard. Há uma porção de boliches (danceterias), de ringues de patinação, de passeios em trenós e teleféricos e de outras nuances turísticas. E guarda essa história intrigante relacionada ao próprio Hitler.

Quase ninguém dá muita pelota para a linhagem alemã que a região carrega. A Patagônia argentina foi povoada por imigrantes italianos e alemães. San Carlo de Bariloche foi fundada pelo alemão Karl (Carlos) Wierderhold, e a estrutura que sobreveio, promoveu a imigração de muitos outros compatriotas. A facilidade da língua e dos costumes e o isolacionismo atraíram, por exemplo, o capitão da SS Erich Priebke e o agente secreto nazista Reinhard Kopps. Viveram em um clima amistoso, rodeados de outros ex-nazistas e de várias famílias alemãs. Também se refugiaram por lá Walter Kutschmann, Josef Schwammberger e Abraham Kipp.

O caso mais icônico, porém, é o do próprio Führer. Ele e sua Eva Braun teriam conseguido escapar e teriam vivido em Bariloche até os idos de 1960. De fato, conta-se que construíram uma casa (foto) para Hitler e há quem jure ter visto o casal. Há tanta literatura a respeito que é quase impossível não acreditar! A região é tão conhecida pelos meios como Kehlsteinhaus americano, que é difícil manter um bom disfarce sem levantar suspeitas. Tentei, em vão, visitar as casas onde moraram os SS e chegar perto da casa que seria do Führer. Mas o medo dos moradores de sofrerem algum vandalismo impede a visitação, embora possamos passear pelo bairro. Mesmo ao longe, não pude deixar de devanear sobre a hipótese de Adolf Hitler ter estado tão próximo e sobre a reviravolta na história que isso geraria. Se fosse verdade, talvez não o tivessem deixado viver por muito tempo de qualquer maneira.

 

Foto intrigante de um senhor rabugento... ou seria um Hitler descansando nos trópicos?

Foto intrigante de um senhor rabugento… ou seria um Hitler descansando nos trópicos?