Tag: Estilo

15844503_1284993454894599_4373011321515312000_o

Pão tentação: Castália

00Artigos, DestaqueTags: , , ,

Tenho uma confissão, gosto de pães bem feitos, sobretudo, daqueles cascudos, com interior fofo e que fazem um som peculiar quando os parto com as mãos. Sugiro comê-los com azeite e sal e também com um pouco de vinho tinto. Não necessariamente bebendo o vinho, mas sim, embebendo o pão no vinho (como meus nonnos faziam). Esses dias, encontrei um pão maravilhoso com barulhinho bom, feito pelos netos do Emb. Meira Penna e a Sra. Dorothy.

O avô ensinou os guris a sonhar alto e a avó, a fazer pão. Do sonho surgiu a Padaria e Confeitaria Castália e da cozinha, um pão delicioso feito com farinha francesa, mas também tem croissant  e pain au chocolat com manteiga vinda da provence. Castália, na mitologia grega, era uma fonte que inspirava o gênio poético daqueles que bebessem das suas águas ou ouvissem o movimento das suas águas. Juntaram-se irmãos, primo e amigos, todos beberam da fonte. Cada um contribuiu com um pouco e, dessa união, surgiu a inspiradora Padaria, com um scent bem hipster.

Dali, saem sabores inusitados como o pão com pimenta vermelha, ou o pão roxo de batata roxa, o pão amarelo de curry, o pão de cramberry com castanha de caju, o pão de cacau e ameixas, o rústico pão da casa. E todos podem ser levados à mesa. Escolhe-se o pão, eles o cortam e servem-no com potinhos de geléias ou azeite! O freguês os ladeia com o café que mais lhe encantar. Detalhe relevante que destaca esta padaria entre as demais, a vibe hipster, a felicidade dos netos da Dona Dorothy e do Seu Meira Penna e o amor deles em cada pão.

Onde: CLN 102 Bloco D Lojas 64/74 – Asa Norte, Brasília – DF

Telefone: (61) 3081-8899

 

🙂 Pão com JK

Granolinho

De comer com colher!

Coisas de vovó.

1494464378e3ba1bd6d2013bcbd7afb8b60a2a54ac

No Aeroporto: cheirinho de pão quentinho saído na hora!

20Artigos, DestaqueTags: , , , , ,

Aí você arruma as malas pra viajar o final de semana, ou por uma semana, menos ou mais. Fecha o gás antes de sair, confere as janelas, tira o lixo pra fora e vai! Vai feliz cheio de expectativa de chegar. Aproveita aqueles dias como se não existisse o dia de voltar, mas quanto mais próximo do fim está este idílio, maior fica a lista de afazeres domésticos. Um que me preocupa sempre: “não tem pão em casa. Nem que seja para fazer um lanchinho na chegada…”

Meus caros, pelo jeito essa preocupação não é só minha! Que bom! Porque no aeroporto Juscelino Kubistchek em Brasília existe um oásis com cheirinho de pão quentinho saído na hora com preços de rua! É o primeiro aeroporto do Brasil a ter uma padaria,  panificadora Vitória, que fica pertinho do desembarque. É chegar à Brasília e sair do aeroporto com o pãozinho quente, cheiroso, saboroso, crocante por fora, macio por dentro.

Além do pão francês ou pãozinho, triguinho, cassetinho, carioquinha, pão careca ou pão filão (a depender da região do Brasil do cliente), a padaria faz pães artesanais de outras paradas, faz sanduíches, bolos, tortas, acompanhados de cafés, sucos e tudo o mais que se pode encontrar numa padaria convencional. Pode-se escolher o pão recém saído do forno para o sanduíche personalizado. A inusitada loja, com janelas amplas que dão para o jardim do aeroporto, tem mesinhas, cadeiras e poltronas para o cliente descansar antes ou depois de sair viagem. Funciona entre 6h e 22h e como as fotos mostram, sucesso absoluto!

IMG_20141230_152607

Sabes o D’Alessandro?

00Artigos, DestaqueTags: , , , , , ,

O Dale, meia do Inter, sabes? Ele tem umas tatuagens e uma delas é bastante significativa… para os argentinos. Não é novidade que a Argentina é um país super-hiper Católico Apostólico Romano, está na Constituição Federal até. O dia da Pátria é comemorado na Catedral Metropolitana, junto à cripta do Libertador General San Martín, com a participação do Chefe de Estado, não tem desfile cívico-militar, é missa mesmo. No coração de muitos argentinos, entretanto, há um rincão especial para os milagres do Gauchito Gil, a devoção pagã mais argentina que conheci.

De norte a sul e de leste a oeste, rodando pelas maravilhosas rodovias argentinas, é possível ver uns pontos vermelhos surgindo na imensidão pampeana. No meio do nada, na vastidão verde, aparecem uns altares multi-enfeitados, sob a sombra de um arvoredo, na cor vermelho vivo para ser visto a quilômetros. São santuários para honrar o gaúcho Antonio Mamerto Gil Núñez, ou El Gauchito Gil, ou ainda Curuzú Gil, em guarani. A história do Gauchito é mais ou menos assim: Antonio Gil desertou por não querer participar de uma guerra fratricida entre colorados e celestes na Província de Corrientes lá pelo final do Séc. XIX.

Condenado à degola, obteve perdão. Ocorre que o executor não recebeu o mandado de soltura a tempo. Antonio Gil rogou-lhe que esperasse, porque o perdão estaria a caminho. Como o executor não aguardou, Gil disse-lhe que no momento que lhe chegasse o perdão, o executor receberia a notícia de que seu filho estaria desenganado por uma doença desconhecida, e, como derramaria sangue inocente, poderia rezar pedindo para que Gil intercedesse junto a Deus e curasse o guri. Gil foi degolado, o verdugo recebeu o mandado e soube que seu filho estava morrendo. Rezou, pediu perdão e o Gauchito Gil curou o piá.

Antonio Gil lutava do lado colorado, por isso a cor vermelha dos santuários. E pasmem! Onde o D’Alessandro foi mais exitoso em seu futebol? No Colorado. Sem falar que o River, onde o Dale iniciou sua jornada e foi titular, também é vermelho (colorado).  Se um dia observarem a panturrilha esquerda (acho que é a esquerda), quando não estiver com o indefectível meião, poderão ver o Gauchito ali, abençoando o Dale, sua perna e sua carreira. Detalhe importante, o Gauchito é mega vingativo, se prometerem algo em troca de um milagre, é melhor cumprirem…

São tantos os milagres atribuídos ao Gauchito e a devoção é tamanha, que um padre católico, Julián Zini, escreveu a letra de um chamamé em homenagem ao milagreiro.

Olhem aí o Gauchito tatuado.

Olhem aí o Gauchito tatuado.

É devoção forte!

É devoção forte!

673x6731372973232_tragos2

O Charmoso uso dos potinhos de ouro (ops!) de vidro

10ArtigosTags:

O que fazer com seus frascos de vidro?  Pois os argentinos fazem há anos, assim como outros países do mundo. E nós? Bem, recém começamos. Vejo, de vez em quando, alguns bares brasileiros com seus drinques em potes, adquiridos com aquela aparência de vidro de conservas de pepino, palmito. E pagam caro por cada vidro desses! Algumas marcas já têm os seus! Ora, para que tanto? Vejam aí minha versão, com os vidrinhos de geleia, chá mate e limonada geladinhos!

A Smirnoff, por exemplo, personalizou potinhos:   11375913_710753409035133_1114953448_n

E estes são os meus! Um charme, não?    07_11_2016_22_53_25

Os potinhos da foto principal, estão em um dos 50 melhores bares da América Latina, a Florería Atlántico, cuja nota está publicana na nossa fan page no facebook @seuDestinoDivino. Notaram os canudinhos? São bombas de chimarrão! Curta a página e siga-nos sempre!